Otorrinolaringologista em Taubaté

Otorrinolaringologia

Otorrinolaringologista em Taubaté

Otorrinolaringologista em Taubaté: também popularmente conhecido o Otorrino, profissional especializado no estudo, manutenção, prevenção e tratamento de doenças que relacionem o nariz, ouvido, garganta e seios da face.

Perfil do Otorrinolaringologista em Taubaté

  • Estudioso;
  • Responsável;
  • Solidário;
  • Relacionamento Social;
  • Autoconfiança;
  • Capacidade de Decisão;
  • Paciência;
  • Equilíbrio Emocional.

Formação

Para ser um Otorrinolaringologista é necessário concluir curso superior em Medicina, e posteriormente realizar a especialização e residência na área de Otorrinolaringologia, ou estágio, com duração de três anos. Manter-se atualizado é a garantia de proporcionar um ótimo atendimento aos seus pacientes.

Atividades

  • Consultas Clínicas;
  • Exames e Diagnósticos;
  • Prescrever Medicação;
  • Realizar Cirurgias;
  • Tratar Doenças;
  • Manter Registros;
  • Emitir Atestado e Pareceres;
  • Coordenar Serviços Hospitalares.

Especialidades e Areas de Atuação

O ortorrino tem uma ampla área de atuação, atuando em hospitais, casas de saúde tanto particulares como as públicas, clínicas, consultórios próprios, academias, clubes ou associações esportivas. Cirurgia estética e funcional da face são algumas de suas importantes colaborações à Medicina.

Saiba mais

Quando falamos de Otorrinolaringologista, logo vem à cabeça o termo "labirintite", amplamente utilizado. Médicos acabam adotando-o também por ser de fácil entendimento dos pacientes. Mas o sufixo grego "ite" significa infecção, e no labirinto significaria uma infecção das meninges, que ligam-se fisicamente. A tontura é somente o sintoma, a sensação causada ao paciente significa perda do equilíbrio, independente da ação causadora. "Labirintite" na verdade é Labirintopatia, o sufixo "patia" significa "doença do(a)". O labirinto tem duas funções primordiais, a parte frontal escuta e a parte traseira sente o equilíbrio. Ambas levam as informações até o cérebro por um único nervo.

A medicina surgiu na Antigüidade, com o Pai da Medicina, Hipócrates, que transmitiu aos gregos todos seus conhecimentos. A partir daí, tornaram-se pioneiros no estudo das doenças. Na Idade Média, a utilização de sanguessugas para realizar as sangrias era a principal técnica para curar qualquer doença. Os avanços da ciência médica nessa época foram poucos devido à intervenção da Igreja Católica, com forte pressão sobre as pesquisas científicas. Durante o Renascimento (séculos XV e XVI) a medicina teve grande evolução e os médicos buscavam explicações para todos os casos de doenças. No século XVII, William Harvey, descobriu o sistema circulatório, trazendo enorme progresso. Especialistas entenderam de forma mais profunda a fisiolgia e anatomia desse sistema. A invenção do microscópio, já no século XIX, por Louis Pasteur, gerou um avanço significativo na área. Com essas descobertas e novas tecnologias, a evolução da medicina foi imensa, e, atualmente, temos técnicas para tratamento de quase todas as enfermidades.